Características gerais
Essas quatro espécies de microalgas se complementam perfeitamente devido à diferença de tamanho, mobilidade e composição nutricional. Temos Tetraselmis suecica, com tamanho de 10-14µm e mobilidade através de flagelos. Nannochloropsis gaditana, com um tamanho muito menor, em torno de 2 µm, sem mobilidade por si só, pequenas células redondas, sem teor de DHA, mas com alto teor de EPA, proteínas e carboidratos. Isochrysis galbana é uma microalga com células ovoides de 5 a 7 µm, com dois flagelos e rica em DHA, o que é muito benéfico para o crescimento e desenvolvimento das larvas e crescimento do zooplâncton. Phaeodactylum tricornutum é uma diatomácea com tamanhos que variam de 24-29 µm x 4-5 µm. Pode adquirir diferentes formas: trirradial, fusiforme ou oval. É considerado litoral marinho, planctônico e bentônico dependendo da forma que adquire e contém uma quantidade elevada de EPA e DHA.
O fitoplâncton é a base da cadeia alimentar dos oceanos e, portanto, de vital importância para todos os organismos que vivem em nosso aquário direta ou indiretamente.
Alimentar-se corretamente desde os elos mais iniciais nos permite ter um ecossistema mais equilibrado e melhor nutrido. Devemos tentar “imitar” ao máximo o que os organismos encontram em seu ambiente natural e o fitoplâncton é parte essencial para esse fim.
Valor nutricional
As microalgas contêm proteínas/aminoácidos, ácidos graxos poliinsaturados (ômega 3), vitaminas, minerais, clorofilas e outros pigmentos, antioxidantes, enzimas,…
A composição em termos gerais é geralmente: proteínas (30-50%), carboidratos (20-40%) e lipídios (8-15%). Todas essas porcentagens são variáveis ​​dependendo da microalga em questão e das condições de cultura que aplicamos a elas.
Vantagens que apresentam como alimento
Alimenta diretamente os organismos filtrantes e invertebrados que vivem no aquário, de forma a fortalecer o seu sistema imunitário, revelando a sua cor e despertando os instintos predatórios de quem dela se alimenta.
Os resultados não serão visíveis imediatamente, mas pouco a pouco veremos como a vida em nosso aquário marinho melhora com o tempo.
Quando usar fitoplâncton e para quê
As microalgas que não forem consumidas nesse momento desaparecerão com algum tempo, é importante não adicionar mais do que o necessário. Uma parte deles ficará presa à rocha viva e ao substrato, servindo de alimento para os organismos que aqui se encontram.
É importante notar que o fitoplâncton que colocamos no aquário não pode se reproduzir com o tempo. O fitoplâncton requer para seu crescimento e reprodução elementos que não encontramos no aquário. Principalmente, um meio eutrófico (com alta quantidade de nutrientes) é essencial e o que buscamos ter em nosso aquário é um meio oligotrófico (baixa quantidade de nutrientes dissolvidos).
Devemos sempre começar com uma dosagem baixa e aumentá-la gradualmente de acordo com as necessidades do nosso aquário.
Contribui para a reprodução e manutenção do zooplâncton que introduzimos.
Corais (Tetraselmis suecica 20%, Nannochloropsis gaditana 30%, Isochrysis galbana 30%, Phaeodactylum tricornutum 20%)
É importante diferenciar entre corais hermatípicos e ahermatípicos. Nem todos os corais se alimentam da mesma maneira e, portanto, devemos aprender o básico para saber como tentar alimentar cada um deles da melhor maneira possível.
Ahermatípico: Corais moles que não geram esqueleto; Alimentam-se diretamente de plâncton e microrganismos (fitoplâncton e zooplâncton). É importante controlar alguns fatores na água, como cálcio, magnésio e oligoelementos, pois os corais se alimentam deles.
Hermatípico: Corais duros que geram esqueletos; Eles obtêm sua principal fonte de energia das zooxantelas (algas muito pequenas que vivem dentro do tecido coral em simbiose, na verdade são dinoflagelados que vivem em simbiose com as colônias de pólipos). Graças à fotossíntese, essas algas produzem açúcares que servem de alimento e fonte de energia para o próprio coral. Por sua vez, são essas algas que dão cor ao mesmo coral. Portanto, nesses corais a luz é muito importante, pois são parcialmente nutridos por ela e, assim, obtêm seu próprio alimento. Os pólipos se alimentam de bactérias, diatomáceas,… Um exemplo de coral hermatípico seria o acropora (corais SPS).
Reino: Eucariota
Classe: Eustigmatophyceae
Ordem: Eustigmatales
Família: Monodopsidaceae
Gênero: Nannochloropsis
Espécie: Nannochloropsis gaditana
Tamanho 2-3 µm
sem flagelos
parede celular muito forte
Crescimento rápido
Alimentação de rotíferos e copépodes
Usado na técnica de água verde para estabelecer fases iniciais na aquicultura
Alto teor de proteínas e lipídios. Destaca seu alto teor

enido de EPA (ácido graxo ômega 3 eicosapentaenóico).
Perfil nutricional:

Proteínas: 52%
Carboidratos: 12%
Lipídios: 28%
EPA: 37%
ARA (ácido graxo araquidônico): 5%
Reino: Eucariota
Classe: Clorodendrophyceae
Ordem: Clorodendros
Família: Clorodendraceae
Gênero: Tetraselmis
Espécie: Tetraselmis suecica

Tamanho 10-12 µm
Possui 4 flagelos isodinâmicos que se agrupam em um vértice apical.
Ser maior e mais móvel o torna mais atraente para certos organismos (como corais duros).
Alimentação de pequenos organismos como copépodes, rotíferos e Artemia salina. Amplamente utilizado na alimentação de moluscos e crustáceos.
Perfil nutricional:

Proteínas: 36%
Carboidratos: 12%
Lipídios: 10%
EPA: 4%
ARA (ácido graxo araquidônico): 10%
Ácido linoleico: 12%

Peso1 kg
Tamanho

250ml, 1 LT

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Apenas clientes com sessão iniciada que compraram este produto podem deixar opinião.

Fitoplancton Corales – L...

3.5012.50

Buy now
EnglishFrenchItalianPortuguese
× Fale connosco pelo Whatsapp